Buscar

Medicina (do Trabalho) – uma análise da demografia médica 2018: cenário sombrio ou desafiador?

Atualizado: 20 de Ago de 2018




O trabalho “Demografia médica 2018” contou com as participações da Universidade de São Paulo (USP) e do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). Foram recebidos ainda subsídios da Associação Médica Brasileira (AMB) e da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).


Neste presente artigo trago à baila alguns pontos importantes desta pesquisa e realizo análise crítica sobre alguns dados encontrados.


I – Profissionais médicos no Brasil


O Brasil contava, em janeiro de 2018, com 452.801 médicos, o que corresponde à razão de 2,18 médicos por mil habitantes. Na mesma data o número de registros de médicos nos Conselhos Regionais de Medicina chegava a 491.468. A diferença de 38.667 entre o número de médicos e o de registros refere-se às inscrições secundárias de profissionais registrados em mais de um estado da federação.


Como está o crescimento populacional de médicos em comparação com a população brasileira?


No período de 1920 a 2017, o total de registros de médicos no País saltou de 14.031 para 451.777, crescimento de 2.219,8%, ou 32,2 vezes o número inicial de médicos. Nesse período, a população passou de 30.635.605 para 207.660.929 habitantes, aumento de 577,8%, ou 6,8 vezes a população inicial.


Quando se compara um crescimento com o outro, vê-se que nesse período de 97 anos o número de médicos cresceu 3,7 vezes mais que o da população.


Desta forma, me questiono se de fato precisamos de mais médicos para o atendimento da população e se devemos rever a política de incremento de vagas de graduação médica no setor privado, principalmente. Há que se criar políticas de interiorização e fixação dos médicos do interior do país ao estabelecer a carreira de médico do estado, incrementar estrutura física nestes locais e propiciar educação médica continuada.


II – Perspectivas futuras do incremento de profissionais médicos no mercado


Em 2020 o Brasil já terá ultrapassado a marca de meio milhão de médicos, uma população cada vez mais numerosa, mais jovem, mais feminina e distribuída de forma desigual entre as regiões, entre as especialidades médicas, entre os níveis de atenção e entre os subsistemas público e privado de saúde. Estima-se que em no ano de 2023 serão 27.487 novos médicos registrados.

Em 2024, serão 28.792, ou três vezes o saldo de 2004 (ano de formatura deste colunista), quando foram registradas 9.299 novas entradas.

Em duas décadas (considerando o ano de 2004), o crescimento previsto é de 200% no número de novos registros. Trata-se aqui de um exercício exploratório e conservador, pois é baseado nos dados de novos cursos e vagas autorizadas e ativas no momento em que o levantamento foi realizado, em 2017. A projeção deve, portanto, ser atualizada à medida que forem liberados novos cursos e ativadas novas vagas.


À luz das variáveis mercado em saúde atual, a estrutura hospitalar instalada, das novas tecnologias implementadas (inteligência artificial e automação de processos, por exemplo) e o “boom” de novos profissionais, o que devemos aguardar do cenário médico em médio prazo? Quais as perspectivas de abertura de postos de trabalho teremos?


Ao meu ver, as mudanças deverão ocorrer principalmente no setor de tecnologia médica e consultoria especializada. Novos postos de trabalho surgirão gradativamente em serviços de robótica, atendimento telepresencial e videoconferência (embora atualmente o Conselho Federal de Medicina normatize restritivamente este último), serviços de segunda opinião e consultoria.


III – Mudanças no perfil do médico: feminização e juvenescimento


Os homens são maioria entre os médicos, com 54,4% do total de 414.831 profissionais em atividade em 2017, enquanto as mulheres representam 45,6%.  A diferença, no entanto, vem caindo a cada ano e aponta para uma crescente feminização da Medicina no País.


As mulheres já são maioria entre os médicos mais jovens – representam 57,4% no grupo até 29 anos e 53,7% na faixa entre 30 e 34 anos. Nas faixas seguintes, a participação dos homens é sempre maior, subindo para 54,8% entre 40 e 44 anos, para 62,5% entre 60 e 64 anos, e atingindo 79,5% no grupo com 70 anos ou mais.


O estado do Rio de Janeiro, com 50,8%, e o de Alagoas, com 52,2% são os dois únicos do País com mais médicas que médicos. O Piauí tem a menor presença feminina, com 37% de médicas.


IV – Especialidade médica


No Brasil, em 2017, 169.581 (37,5%) dos médicos não possuíam especialidade e 282.196 (62,5%) médicos possuíam título de especialista.  Destes especialistas, 199.884 (44,3%) são médicos com uma única especialidade. Outros 67.984 (15%) têm título em duas especialidades (no qual este colunista se enquadra), e 14.328 (3,2%), em três ou mais.


A Medicina do Trabalho é uma das especialidades com mais especialistas, totalizando 4,2% dos médicos titulados, ou 15.895 profissionais, com média de idade de 57,6 anos. Apesar da importância e tamanho da especialidade na Medicina, a Medicina do Trabalho figura apenas como preferência de apenas 0,4% dos médicos formandos entrevistados, ou seja, 10 vezes menos postulantes à ingressos na Medicina do Trabalho que a proporção atual de especialistas! Inclusive a baixa ocupação das vagas de residência tem sido constatada.


À exceção da maioria das especialidades médicas, a Medicina do Trabalho apresentou redução de residentes no primeiro ano em relação ao segundo, de 22 para 15 em todo país.


São dados importantes pois um país de dimensão e população continentais necessita destes profissionais na vigilância da saúde do trabalhador, princípio constitucional estampado em nossa Magna Carta.


O que leva à baixa procura pela especialidade? Provavelmente fatores econômicos. A recessão do país, a precarização das relações de trabalho do médico empregado, os baixos salários, a informalidade de profissionais que trabalham em clínicas credenciadas e à falta de incentivos governamentais à abertura de empresas com foco em SST (saúde e segurança no trabalho) associadas às exigências burocráticas para se manter o empreendimento.


V – Expectativas de rendimento (e a modalidade de remuneração) dos recém-formados: um choque entre expectativa e realidade.


O rendimento entre R$ 8 mil e R$ 12 mil mensais foi considerado ideal por 43% dos egressos para o início de carreira de um médico, aqui somados todos os vínculos de trabalho. Outros 19,9% citaram rendimentos de até R$ 8 mil, e 21,6%, de R$ 12 mil a R$ 16 mil.


As mulheres consideram expectativas salariais menores: 71,1% delas, contra 49,8% dos homens, apontaram como ideal um salário de até R$ 12 mil em início de carreira. Já rendimentos iniciais entre R$ 12 mil e R$ 20 mil são reivindicados por 41,6% dos homens e 26,3% das mulheres.


Ao serem indagados sobre a expectativa salarial após cinco anos de formados, 81,8% dos egressos consideraram como ideal um rendimento acima de R$ 16 mil. Nesse grupo, 21,5% deles citaram salários de R$ 20 a R$ 24 mil, e 33,1%, de R$ 24 mil ou mais.


No grupo que aponta salários mais altos, os egressos de escolas privadas são em maior número: 35,8% deles, contra 25,5% dos formados em faculdade pública, disseram que o rendimento ideal depois de cinco anos de trabalho seria de R$ 24 mil ou mais. Esse ganho “ideal” mais alto é apontado por 43,2% dos homens e 26,9% das mulheres.


Caso pudessem optar pela forma de remuneração, 34,3% dos novos médicos escolheriam o salário mensal. Como segunda escolha, mas bem abaixo, 12,9% preferem a remuneração por hora trabalhada. Pagamentos por número de procedimentos, de pacientes atendidos, por desempenho e metas estipuladas foram citados por menos de 10%. Um terço de todos os egressos, 33,6%, optou por uma remuneração mista, de várias modalidades.


A grande maioria dos médicos recém-formados considera fundamental uma boa combinação entre trabalho e vida pessoal. Para 83,6% deles, a “capacidade de obter um equilíbrio entre a profissão e a vida pessoal” é um dos fatores mais importantes para um “exercício profissional satisfatório e gratificante”. O segundo fator mais citado – assinalado por 64,2% dos egressos – foi “ter uma jornada de trabalho flexível”.


Infelizmente, estas perspectivas colidem com um cenário de remuneração médica cada vez mais desanimador. O que se vê é um acirramento das relações profissionais, com o acúmulo de múltiplos vínculos, muitos deles precários. O fenômeno “Pejotização” em contexto de prestação de serviços para Organizações Sociais (sistema OS), inflexibilidade da jornada de trabalho, retirada de garantias trabalhistas, falta de concursos públicos com remuneração condizente à dignidade da profissão e aviltamento da tabela médica nos planos de saúde são alguns problemas vividos pela classe, que cada vez mais padecem de transtornos mentais e abreviamento de sua expectativa de vida.



Fonte: Scheffer M. et al., Demografia Médica no Brasil 2018.


SAIBA MAIS

88 visualizações